segunda-feira, 23 de junho de 2014

Salmo 109 da Vulgata de Jerônimo (110)

Aqui novamente, dessa vez traduzindo um salmo daquela que é a coleção de livros mais famosa da sociedade ocidental. O salmo é o Salmo 109 da Vulgata de Jerônimo (ou São Jerônimo), o tradutor latino da bíblia. Na maioria das bíblias modernas (católicas ou protestantes) o salmo aparece como sendo o de número 110.

Como foi anunciado, a tradução foi feita a partir do texto latino, e não da versão hebraica original (pois não entendo uma palavra em hebraico), e apesar de contar com um dicionário hebraico (e os famosíssimos números Strong), mesmo onde o texto latino distinguia-se do hebraico preferi a opção lexical-sintática do texto latino, talvez com uma exceção ou outra. Como todos devem saber, a divisão do livro em versículos é bem posterior, no entanto, nessa tradução, os versículos são sempre uma estrofe cada. Os versos tem 8 sílabas sem o acento obrigatório na 4ª, com uma única exceção, um meio-verso. A tradução é poética, e não doutrinária, apesar da busca por respeitar o texto-fonte, o que me levou a algumas opções específicas como a tradução de virtutis por saber. Por fim, ouçam a peça Dixit Domunus do Händel ou do Vivaldi enquanto leem esse salmo.

109 - Vulgata (110)
David psalmus dixit Dominus Domino meo sede a dextris meis donec ponam inimicos tuos scabillum pedum tuorum
virgam virtutis tuae emittet Dominus ex Sion dominare in medio inimicorum tuorum
tecum principium in die virtutis tuae in splendoribus sanctorum ex utero ante luciferum genui te
iuravit Dominus et non paenitebit eum tu es sacerdos in aeternum secundum ordinem Melchisedech
Dominus a dextris tuis confregit in die irae suae reges
iudicabit in nationibus implebit cadavera conquassabit capita in terra multorum
de torrente in via bibet propterea exaltabit caput



Salmo 109 - Da Vulgata de Jerônimo
[De Davi]
Disse o senhor ao meu senhor:
Te assenta à minha mão direita
Até que os teu inimigos ponha
Como escabelo aos teus pés.

O cetro do saber que é teu
Enviará o Senhor de Sião
Para ti dominar em meio
Aos teus maiores inimigos.

Pois a partir de ti, no dia
De tua sabedoria, em luz
De santidade desde o útero
À estrela da manhã te fiz.

Jurou o teu Senhor e não
Se arrependerá jamais:
És sacerdote eternamente
Segundo a ordem de Melchisedech.

Está o senhor a tua direita
A quebrar reis no Dia da Ira.

Julgará todas as nações,
De cadáveres preencherá
E quebrará muitas cabeças
Por toda a terra.

E da torrente no caminho
Beberá, a cabeça erguendo.

Trad: Raphael Soares

Nenhum comentário:

Postar um comentário