quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Sonnet XIV - Shakespeare (decassílabo e dodecassílabo)

Hoje resolvi fazer uma tradução dupla de um mesmo soneto de Shakespeare. Muito se discute sobre traduzir os Sonetos em decassílabos ou dodecassílabos, e pretendo fazer alguma discussão a esse respeito posteriormente. Por enquanto, ficam as traduções:

Sonnet XIV - William Shakespeare

Not from the stars do I my judgement pluck;
And yet methinks I have Astronomy,
But not to tell of good or evil luck,
Of plagues, of dearths, or seasons' quality;
Nor can I fortune to brief minutes tell,
Pointing to each his thunder, rain and wind,
Or say with princes if it shall go well
By oft predict that I in heaven find:
But from thine eyes my knowledge I derive,
And, constant stars, in them I read such art
As truth and beauty shall together thrive,
If from thyself, to store thou wouldst convert;
   Or else of thee this I prognosticate:
   Thy end is truth's and beauty's doom and date.



Soneto 14 - William Shakespeare (Decassílabo)

Das estrelas não tiro julgamentos,
E creio possuir astronomia,
Mas não predigo os bons ou maus momentos,
Nem faltas, nem um clima que enfastia.
Não posso predizer nenhum futuro
E afirmar sobre a fúria natural,
Ou dizer se um reinado será duro
Ao nobre, lendo celeste sinal.
Dos teus olhos, astros constantes, é
Que leio e extraio todo o meu saber,
Como a beleza, a verdade e a fé
Viverão caso em prole converter.
   Caso não seja assim, assim predigo:
   Morrerão o belo e verdade contigo.

Trad: Raphael Soares



Soneto 14 - William Shakespeare (Dodecassílabo)

Dos imensos astros não tiro julgamentos,
Embora creio ter alguma astronomia,
Não sei predizer fado bom ou de tormentos
Sobre pragas, penúria ou o clima de outro dia.
Não posso ver do futuro nem um minuto
E dizer se nele já chuva, raio ou vento,
Nem sei se um príncipe terá um reino impoluto
Apenas lendo sinais do celeste intento.
Somente dos teus olhos tiro o meu saber,
E, astros constantes, são neles que eu leio
Como a beleza e verdade vão viver
Se conseguires de multiplicar-te um meio.
   Tenho uma previsão caso ocorra o contrário:
   Beleza e verdade encontrarão o seu sudário.

Trad: Raphael Soares

Nenhum comentário:

Postar um comentário