quarta-feira, 6 de abril de 2011

Sobre a I-tradução de The Raven de Poe

Acho interessante (e até certo ponto importante) explicar algumas de minhas escolhas I-tradutórias, ao mesmo tempo fazer algumas considerações ao poema The Raven e suas traduções.

A primeira observação que faço pode deixar os poemaníacos completamente irritados, mas farei assim mesmo: The Raven não é um bom poema. Em contrapartida, Le Corbeau, Der Rabe e O Corvo compõe um cânone indiscutível, além de belíssimas poesias. O fato é: The Raven de Poe é muito melhor em suas traduções, mesmo distorcidas e erradas, e elas são numerosas. Em francês há algumas dezenas de traduções, e em língua portuguesa conheço pouco menos de 30 traduções integrais, a maioria delas possuem qualidade poética (a meu ver) superior ao "original".

Há uma série de pormenores sonoros e semânticos em The Raven, entre elas as rimas internas e externas no 1º e 3º versos, e uma rima externa (oor, ore) no 2º, 4º, 5º e 6º versos, o nome da amada (Lenore) inclui-se nessa rima. Soma-se a isso uma série de aliterações e repetições durante todo o poema.

As versões em português podem se dividir em três grandes gripos: As preocupadas com o "sentido" (muitas vezes distorcendo a forma em detrimento do sentido), as preocupadas com a "forma e som" (algumas Superpreocupadas, que mantem o nome da amada na rima), e as criações diferentes (que criam uma forma própria e geralmente ousada). Procurarei organizar as traduções que conheço nesses 3 grupos (dividindo o 2º em 2a e 2b) em ordem cronológica:

1:
Rubens Francisco Lucchetti - 1930
Edson Negromonte - 1998
Aluysio Mendonça Sampaio - 1998

Cláudio Weber Abramo - [1997-1999]
Helder da Rocha - 1999
Alskander Santos - 2006
Thereza Christina Rocque da Motta - 2009
Raphael Soares - 2010

2a:
Fernando Pessoa - 1924
Gondin da Fonseca - 1928
Milton Amado - 1943
Alexei Bueno - 1980
João Inácio Padilha - 1997
Jorge Wanderley - 1997
Sergio Duarte - 1998
Luis Carlos Guimarães - 1998
Diego Raphael - 2000
Carlos Primati - 2002
2b:
Odair Creazzo Jr. - 1998
Vinícius Alves - 1999
Eduardo Andrade Rodrigues - 2000
Margarida Vale de Gato - 2004

3:
Machado de Assis - 1883
Alfredo Ferreira Rodrigues - 1914
João Kopke - 1916
Emílio de Meneses - 1917
Benedito Lopes - 1956
José Luiz de Oliveira - 1968
José Lira - 1995
Isa Mara Lando - 2003


Como pode-se perceber, o estilo tradutório de O Corvo é bastante variado, possuindo traduções felizes e infelizes em cada proposta. Isso porque não considerei a incomum e humorada "tradução" de Carlos Versiani nem a igualmente incomum de Bernardo Simões Coelho, nem traduções parciais como a dos irmãos Campos ou de Cabral do Nascimento. Também pode-se perceber que coloquei a minha tradução no grupo 1, o que significa que sacrifiquei a sonoridade na medida do possível para manter o "clima" e sentido do poema de Poe.

A tradução foi feita em 2010 e publicada no blogelaphar (está publicado a versão antiga). Recentemente fiz uma pequena revisão, no intuito de melhorar um pouco algumas rimas internas e definir algumas coisas, como o nome de Plutão, que originalmente manti Pluto, pois acho Pluto mais sonoro que Plutão. Já havia (na minha época de pseudo-poeta-amador) escrevido um soneto que usava Pluto, e outro Orcus, pois acho esses nomes melhores que os equivalentes em português (Plutão e Orco respectivamente). Mantive Lenora ao invés de Lenore porque o nome original me incomoda.

Optei pelo verso livre por 3 motivos: 1º precisava de espaço indeterminado para tentar manter as ideias do "original", 2º a métrica portuguesa é incompatível com a do poema, 3º não possuia (nem possuo) experiência tradutória para manter a forma e o conteúdo, portanto, coloquei o segundo em primeiro plano.

Mantive as rimas internas no 1º e 3º verso, mas nas estrofes que essas rimas não apareciam no poema em inglês também as eliminei do português. Eliminei a rima principal, mas mantive todas as repetições e procurei manter as aliterações na medida do possível. Como eliminei a rima principal, não achei importante terminar todas as estrofes com "mais". Também mantive os nomes Palas, Plutão, Lenore, Édem, omitindo um único nome (Gilead, Gileade ou Galaad), pois achei a imagem horrível, o que me faz crer que Poe escolheu um nome na bíblia quase aleatóriamente; achei melhor remover Gilead do poema, atitude que pode até ser imperdoável em uma tradução, mas uma I-tradução pode tudo. O texto traduzido portanto ficou bastante fiel as ideias e símbolos do poema, mas careceu em sonoridade: os versos são muito longos, há gerúndios em demasia, muitas rimas pobres, ausência das rimas principais e etc...

Alguns versos da minha tradução me agradam (sei que Aliquis non debet esse judex in propria causa mas estou propondo justamente isso neste blog. Fazer o quê?) como "Mas o silêncio não quebrava, e nada, nada mudava," ou "A sensação de silêncio foi quebrada, pela resposta habilmente falada,"" e até mesmo "'Profeta!' disse, 'coisa do mal! - profeta ainda, mesmo se ave infernal!". Em contrapartida, algumas de minhas escolhas me parecem infelizes.

De um modo ou de outro, minha I-tradução é mais uma tradução de The Raven para ser julgada, lida e talvez apreciada.

2 comentários:

  1. ufa, impressionante sua empreitada. só quanto a gilead, não é aleatório; "bálsamo de gilead" é uma imagem bíblica, claro, mas que virou uma espécie de expressão feita, tipos "consolo para o sofrimento". tudo bem você tirar o gilead porque não gosta, mas "outros mares" sugere outro lugar fora dali. só que a ideia do bálsamo de gilead é que mesmo na situação mais pavorosa pode existir algo capaz de aliviar a dor. e aí, na tua solução, seria talvez "bálsamo nestes mesmos mares" ou "bálsamo para esta tormenta" (pensando em mar, mas teria que ser tempestuoso, para preservar o sentido "escabroso" de gilead). espero que vc não ache muito i-mpertinente minha observação ;-)

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pela dica! De fato, acho que "bálsamo para esta tormenta" fica bem mais apropriado que "bálsamo em outros mares". Não gosto de Gilead justamente pelo fato de a expressão em Poe possui mais uma característica popular do que bíblica de fato (Jr 8:22). Alguns costumam estudar The Raven usando a bíblia (King James Version) como a magna influência. Pessoalmente, acho que Poe compreendia muito mal os livros sagrados, e o maior indício é quanto ao "Éden" em The Raven que me parece inadequado, pois o Éden lendariamente se localiza na terra, e não em qualquer plano etéreo ou celestial.

    Muito obrigado pela visita, e sua contribuição não foi nem um pouco i-mpertinente. É um prazer imenso contar com sua visita já que admiro muito seu trabalho como tradutora, denunciadora de plágios e (mais recentemente) crítica de Thoreau.

    ResponderExcluir